Para que haja sucesso, devem-se estabelecer limites para todas as coisas, porque eles definem a transição de um estágio para outro. É prudente estabelecer limites para o nosso consumo e nosso dispêndio, porque assim estaremos preparados para mudanças futuras no caso de condições menos favoráveis. Não há mérito, entretanto, numa excessiva limitação apenas pela própria limitação, porque isso leva a repressão e ao ressentimento.

 

Voltar